Tratamentos

Ovodoação

A Ovodoação consiste na doação de óvulos de uma mulher para outra. Ele é geralmente utilizado por mulheres com diminuição no número ou na qualidade dos óvulos.

A doação é anônima, ou seja, os doadores não irão conhecer a identidade dos receptores e vice-versa.

Para quem deseja doar, a idade máxima é de 35 anos. Além disso, exames negativos para infecções e alterações dos cromossômicos, além de ausência de história familiar para doenças genéticas hereditárias são essenciais para que a mulher possa doar seus óvulos.

Por que doar os óvulos?

Qualquer mulher pode querer doar voluntariamente seus óvulos, mas o mais comum é uma situação identificada como doação compartilhada de óvulos, em que tanto a doadora como a receptora têm problemas de reprodução. Normalmente, o problema de infertilidade da doadora está relacionado a fatores masculinos ou tubários e, por serem jovens, possuem um número maior de óvulos de boa qualidade, por isso podem doar.

Este processo, além de ajudar as receptoras a engravidarem, ajuda também as doadoras. De acordo com as regulamentações brasileiras é proibido comercializar óvulos, no entanto, a gratificação possível segundo a lei é o custeamento do tratamento pela receptora para que os óvulos sejam compartilhados.

Como é o tratamento?

O tratamento é a fertilização in vitro. No entanto, enquanto a doadora usa medicações para estimular seus ovários a recrutar mais óvulos, a receptora utiliza medicações com o objetivo de preparar seu útero para receber os embriões.

Quando os óvulos estiverem maduros, parte deles é doado para a receptora. Os óvulos da receptora são fecundados com o sêmen do marido da receptora e os óvulos da doadora são fecundados com os óvulos do marido da doadora.

Após os embriões serem formados são transferidos para o útero da mulher.

O programa de Ovodoação é uma alternativa cada vez mais utilizada na Reprodução Assistida e tem como objetivo ajudar casais que tem dificuldades de atingir a gravidez,

Este procedimento pode ser uma opção quando a mulher tem a diminuição da reserva ovular na maioria das vezes por conta da idade avançada, ou em situações de falência ovariana prematura. Também recomendado caso a mulher tenha passado por algum tratamento oncológico que pode ter afetado a fertilidade.

O mais comum é uma situação que chamamos de doação compartilhada, em que tanto a doadora, quanto a receptora estão em tratamento para reprodução, mas as doadoras têm problemas de infertilidade específicos e possuem muitos óvulos saudáveis, podendo doá-los.

Doadora e receptora farão seus respectivos tratamentos, e quando os óvulos da doadora estiverem maduros, parte deles é cedido à receptora, e é feita a fertilização in vitro.⠀

Referências bibliográficas:

Fertility preservation in patients undergoing gonadotoxic therapy or gonadectomy:Fertil Steril_ 2019;112:1022–33. _2019 by American Society for Reproductive Medicine.)https://www.fertstert.org/article/S0015-0282(19)32355-6/fulltext